Casas Nórdicas

  • Cada vez, tenho mais a certeza, que o mundo é demasiado belo, para nos deixarmos ficar nesta “ocidental praia lusitana”, sem conhecer o que há mais além.
  • É verdade. Não me tenho portado muito bem com vocês. Desculpem-me. Mas, cada vez que vou de férias, o trabalho triplica. E tem sido impossível vir aqui. Mas não vos esqueci. Estou de férias. Finalmente.
  • Vem directamente da Suécia, com todos os detalhes que estamos habituados a ver por lá: paredes brancas, pavimentos em tábua corrida, grandes janelas, muita luz natural, sancas que contam histórias, plantas e pormenores. Muitos pormenores, muitos mais pormenores do que aqueles que estamos habituados. Este apartamento tem oitenta e sete metros quadrados e nele temos […]
  • Por cá, o frio já chegou, a chuva já se enraizou, as montras já brilham e, até as pessoas, já sorriem mais. Estamos oficialmente na época natalícia. E por tudo isto, vamos começar as publicações cheias de árvores, bolas, neve, frio, mantinhas, prendas e tudo o que faz sorrir, quando a noite lá fora está […]
  • O Meu Rebuliço inspira-se, principalmente, na decoração de estilo nórdico, onde a maioria das casas são para ser vividas, repletas de simplicidade e inundadas de luz natural refletida no cintilante branco das paredes. Por isso, fomos até à Suécia à procura de mais uma casa que nos encha a alma de conforto. Não encontrei muitas […]
  • Estamos na Bélgica, famosa pela cerveja, o chocolate, os waffles e as batatas fritas com maionese. Sabiam que 97% da sua população é urbana?! Isto é, vivem em cidades e o campo fica só para 3% dos belgas. No centro urbano de Ghent, encontramos uma casa que irradia luminosidade. É uma folha de papel em […]
  • Stella, Joeri e o seu pequenino rebento, Hanna, são os protagonistas desta história. Que, durante muito tempo, procuraram a sua casa de sonho. A casa que reflectisse os seus gostos e sua forma de viver, encontraram-na em Roterdão, na Holanda. Uma moradia de três pisos num evoluído estado de degradação, mas com muito potencial.
  • Por aqui, a primavera teima em não vir. O sol está tapado pelas nuvens e calor deixou-se ofuscar por gélidas brisas. Mas não vamos entristecer por causa do tempo, vamos chamar as cores da primavera.
  • Esta casa foi construída em mil novecentos e trinta e oito e, a sua história, é contada através dos detalhes. 
  • Um lar, onde não há cor, nem sequer uns meros salpicos. Tudo são cores neutras, cinzas, brancos, bejes e negros. Mas, não é por isso, que esta casa deixa de ser confortável, alegre e com uma grande personalidade.
  • Ela chama-se Sofia e é administradora do blogue e da loja online www.mokkasin.blogspot.se. A sua vida corria normalmente, vivia em Estocolmo, com os seus dois filhos e o seu marido. Até que engravidou, de gémeos. Precisava de espaço. Espaço para os dois pequeninos, que estavam a vir, e para trabalhar.
  • Em 1887, em plena cidade de Estocolmo, este edifício foi construído para servir de estábulo. Mas, no ano passado, foi quase toda remodelada e transformada numa fantástica casa, com todas as mordomias que necessitamos nos dias de hoje.